O tempo e o vento: reflexões sobre a cultura política brasileira.

Por João Gualberto

                                                                     

O Tempo e o Vento é um épico de Érico Verissímo. Trata-se  de um dos romances mais importantes do autor, e grande sucesso junto ao público. Além de inúmeras reedições do livro, no ano passado, foi lançado um filme com o mesmo nome do romance, dirigido por Jayme Monjardim. O filme também  foi exibido como uma espécie de minisérie em  três capítulos na TV Globo. Trata-se, na verdade, da adaptação para as telas de O Continente primeiro livro de uma série três. Aliás, já existe outro filme dos anos 1980 de bastante sucesso e uma minesérie de 1985 na mesma TV Globo, mas muito mais longa, com vinte e cinco capítulos.

Imagem

Cena do filme de Jayme Monjardim, de 2013: na verdade, uma adaptação para as telas de O Continente, o primeiro da série de três.

Explica-se o interesse maior pelo primeiro livro da série, pelo fato dele ser o mais denso historicamente. Publicado pela primeira vez em 1949, O Continente retrata a história do Rio Grande do Sul entre 1745 e 1945 sob o ponto de vista da família Terra Cambará.  A história se inicia ainda no território das missões quando uma índia violentada e muito ferida chega ao território. Ela morre em consequência dos ferimentos, mas dá a luz a uma criança que se chamaria Pedro e que dá origem a uma família cuja história se confunde com a do Rio Grande do Sul.

Pedro engravida Ana Terra e seu filho vai ser crescer em um povoado que estava sendo criado e que se chamou Santa Fé, cidade fictícia em torno da qual todo o romance se passa. Neste povoado brilha anos depois um certo Capitão Rodrigo Cambará, que se casa com a neta de Ana Terra. Destemido e de comportamento valente, ele espelha bem o personagem típico da época no romance.

O mundo descrito pro Érico Verissimo é inóspito, cheio de perigos e vive em um clima de guerras constantes. Afinal, trata-se de uma região em que o mundo que os portugueses criaram na América faz fronteiras e se rivaliza de forma permanente com o território espanhol em nosso continente. Este clima permanente de tensão e desafios dá origem a uma sociedade rústica em seu tempo e com características culturais muito próprias.

Imagem
O escritor Érico Veríssimo: um dos escritores brasileiros mais populares do século XX.

Raros são os livros que conseguem de forma tão clara, e com um texto da mais alta qualidade, mostrar as entranhas de nosso sistema social. Ele nos dá elementos para refletir sobre a origem de elementos de nossa cultura, mais especificamente e de como se foi estruturando no Brasil as possibilidades de construção de uma cultura política autoritária, elitista e que só inclui o povo de forma lateral. Mesmo nas guerras por todos disputadas os heróis são poucos e sempre pertencem às famílias dos proprietários de terra. Vemos na obra o surgimento de um certo coronelismo com cortes caudilhistas, com lugar muito especial para o discurso heróico. A violência é a marca das relações sociais e a ausência de limites um elemento que ajuda a instituir uma certa cultura política.

Mas, se o sucesso de grande público é sobretudo o primeiro livro da série, os dois seguintes, O Retrato e O Arquipélago são igualmente geniais. Eles mostram os desdobramentos na estrutura do poder dos comportamentos herdados da Colônia e do Império e como foi se consolidando um padrão de comportamento coletivo que em tudo favoreceu a construção de uma sociedade machista e excludente, onde o universo feminino é secundário e quase de segunda classe e o impulsos masculinos mais selvagens ganham a cena como os que definem o mundo. Mas, se esta característica construída historicamente marca o romance gaúcho, ele também retrata bem o conjunto da sociedade brasileira, igualmente desigual e excludente, onde negros, pobres e mulheres tem uma espécie de cidadania de segunda classe.

Não por acaso o personagem dos dois últimos livros tem o mesmo nome de seu antepassado: Rodrigo Cambará. Mas, ele é médico formado em Porto Alegre, bem cultivado e de hábitos sofisticados. Consumidor do pensamento positivista, da música clássica tocada em seu gramofone e de todos os modismos do inicio do século XX. Mas, dentro dele habita o passado, o heroísmo que agora aparece por sua opção pelas revoluções políticas como a de 1923 no Rio Grande do Sul ou a de 1930 que levou Getúlio Vargas ao poder.

Este comportamento valorizado do heroísmo na construção do poder local se soma às demandas de modernidade do sistema econômico  com a industrialização e ainda as inovações que invadiram a vida urbana no tempo dos automóveis e da energia elétrica. O novo tipo é híbrido, tem o passado articulado às novas necessidades. Nossa cultura política produz atores sociais que mesmo em busca do novo tem o coração enterrado no passado. São nossos homens de poder, tão modernos e tão retrógrados ao ao mesmo tempo. Tão coronéis.     

Imagem
No terceiro livro, O descendente do primeiro Rodrigo Cambará mostra opção pela revolução política que levou Getúlio Vargas ao poder, em 30. Novas necessidades que não se desvinculam do passado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s