COMO VENCER A TRUCULÊNCIA

Em termos políticos, o mundo tem sido varrido por uma nova onda ocidental, organizada a partir de discursos nacionalistas, conservadores e autoritários. Os estudiosos que têm analisado esses novos modelos “democráticos” – chamados de democracias iliberais por líderes desses movimentos, como Vitor Orban, da Hungria, por exemplo – convergem em um ponto: o entendimento de que a nova extrema direita quer sufocar as instituições democráticas, impondo valores conservadores, além de operar, de maneira permanente, para ampliar o seu poder.

 

E esse fenômeno também pode ser observado aqui, no Brasil, uma das mais jovens democracias do mundo.

 

Em seu livro “Os engenheiros do caos”, o escritor italiano Juliano Da Empoli analisa, por meio de posturas caricatas como a do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e de Jair Bolsonaro, atual chefe do Executivo nacional, a chegada dos outsiders (aventureiros políticos) ao poder por meio do caos nas sociedades em que estão inseridos. O pano de fundo para o estudo de Empoli é a forma como esses atores descobriram que a democracia, na era do narcisismo de massa e da força das redes sociais, pode oferecer possibilidades inesperadas de mobilização social.

1aa1637cd98b5083a989a21bd08b772a

A obra de Empoli está repleta de exemplos contundentes acerca das manipulações feitas a partir de mecanismos como o da disseminação das chamadas fake news (notícias falsas) em função do interesse particular. O texto destaca, por exemplo, a ousadia do americano Steve Bannon, conhecido como o homem-orquestra do populismo norte-americano, que, depois de ter conseguido eleger Trump, sonha fundar uma “Internacional Populista”, para combater o que ele define como “o partido de Davos das elites globais”. Bennon trabalhou na campanha de Bolsonaro, tendo trazido muito dessa tecnologia global de construção do medo coletivo e da balbúrdia social, cada vez mais presente na nossa política. A tática do americano se mostrou eficiente para vencer as eleições.

 

No entanto, a atual pandemia que enfrentamos, com o avanço do novo coronavírus no mundo, veio descortinar e expor a fragilidade política e gerencial dessa estruturação política fundada no caos e nas informações desencontradas. Diante de um desafio como esse que governos de todo planeta têm enfrentado atualmente, os líderes que têm seus mandatos consolidados por meio do conflito e da polarização social, não têm dado a resposta devida ao problema. Precisamos vencer esse modelo paralisante, focado no embate. Nosso desafio é desconstruir essa trajetória de irresponsabilidades políticas e manipulações, feitas pela propagação de uma rede perversa para destruir reputações – como o famigerado “gabinete do ódio”, instituído com o intuito de divulgar mentiras acerca de projetos e pessoas que se posicionem contra o atual governo. Não podemos construir uma nação justa e igualitária com bufões como Bolsonaro e sua trupe, cujo maior trunfo político é uma ignorância militante, uma capacidade de mentir e de criar situações antes impensáveis e inaceitáveis na nossa democracia.

 

É urgente que se comece a pensar novos modelos políticos. O coronavirus é, hoje, uma ameaça real para o mundo inteiro. Como governos chefiados por personagens que chegaram ao poder mentindo, ridicularizando, ofendendo – que é a única coisa que sabem fazer – se comportarão diante da evidente necessidade de uma gestão séria e comprometida da crise? A impressão que tenho é a de que eles “derreterão” diante da realidade dos fatos, até porque a verdade nua e crua tende a assustar quem sempre lidou – e fez uso também – com factoides. Bastava a mentirada que alimentam todo dia nas redes, dos absurdos que falam e das desavenças que criam. A gestão é para ser delegada aos especialistas em cada área, os postos “Ipiranga”. As lideranças fajutas que chegaram ao poder estarão esgotadas no curto prazo.

Steve-Bannon-interview
 Bannon:  diretor executivo da campanha presidencial de Donald Trump, em 2016.[4][5]
Não restam dúvidas sobre a necessidade de encontrar uma saída que dê conta das nossas demandas. Mudanças que já estavam em curso em importantes segmentos da sociedade e que podem fundar uma nova política serão aprofundadas, caso haja o fim desse populismo chancelado e reverberado pelos líderes religiosos simpatizantes do conservadorismo. Por outro lado, as velhas esquerdas estão fragilizadas. Caso essa nova direita populista saia do centro do poder, como será construída a nova cena política nacional?

 

Em primeiro lugar, ao que tudo indica e aos preços de hoje, a nossa saída será à direita. O eleitorado brasileiro está cansado das elites tradicionais. A rejeição não é só ao Partido dos Trabalhadores (PT), mas, também, aos políticos de tradição social democrata e, por fim, aos membros do chamado centrão. Alguns movimentos novos, de corte mais cívico, têm sido construídos, mas não estão maduros para ocupar o centro das principais discussões políticas nesse primeiro momento.

 

Assim, com a falência do modelo populista-olavista, só nos resta imaginar que, na centro-direita, surja um nome capaz de agregar; capaz de absorver os eleitores mais conservadores, mas sem a aliança internacional populista, sem o negacionismo e o terraplanismo. Ou seja, que voltemos a ter capacidade de avançar pelo centro democrático, mas varrendo as práticas mais antigas tão negadas pelo eleitor, hoje.

Ao rejeitar nossa política dos conchavos e jeitinhos, o povo brasileiro parece agir de maneira correta. Agora, cabe aos democratas apresentar uma saída viável para sucessão da truculência que está no poder atualmente.

Flávio-Bolsonaro-e-Jair-Bolsonaro-1200x720
O presidente Jair Bolsonaro e o filho, Senador Flávio Bolsonaro.

 

 

 

João Gualberto 
[1] Doutor em Sociologia Política pela Ecole des Hautes Etudes em Sciences Sociiales, Paris, França e Professor Emérito da Universidade Federal do Espírito Santo.

2 comentários sobre “COMO VENCER A TRUCULÊNCIA

  1. Gostaria apenas de parabeniza-lo pela brilhante contribuição que empresta àqueles que tem a oportunidade de conhecer suas análises , elenco do qual tenho o privilégio de participar, motivo pelo qual deixo aqui registradas a minha homenagem e também a segurança do meu apreço por você .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s